quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Alma do poeta.

                     ALMA DO POETA.


Nas descrições dos infinitos encantos transmitidos pelos elementos da natureza, quando ela seja o foco de inspiração, o poeta arrebatado, faz uso do pensar simplesmente com um gerenciador de instrumentos quais suas mãos para escrever ou palavras para declamar, pois elas emanam naturalmente da Alma sem a interferência dele. É algo como o que é visto e venerado, seja um reflexo dela, parte integrante de sua essência.
O pensamento, provindo da mente em seu estado ordinário, vê com olhos do corpo, entretanto pode transportar à Alma impulsos do belo, quando seus correspondentes se encontram nela.
Talvez isso explique porque um céu extasiante, uma linda flor, com abelhas servindo-se de seu néctar e levando seu pólen à perpetuação de semelhantes vidas, o doce silêncio de um Altar e tantas majestades do universo ao alcance de todos, quase nada representa para legiões de observadores.
O pensar de um poeta, sua natureza íntima, pode ser, em circunstâncias especiais, apenas compreendidos por outros poetas.

                                     Jaime D'Aquino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário